9-13h, 14-18:30h
CONTACTO
Já é cliente?

Inicie sessão para aceder à sua área privada

realisations, Notícias

Design para o Bem - Uma Força para o Feminismo

07 mar 2022 —
Imprimir
feminism-header.jpg

O feminismo é uma força a ter em conta. Nos últimos anos, na pegada da Marcha das Mulheres e do movimento Me Too, somos mais uma vez recordados do poder das mulheres para fazer o mundo girar. O feminismo percorreu um longo caminho desde os dias dos cartazes sufragistas póster "We can do it" de Rosie the Riveter, o design gráfico continua a desempenhar um papel pungente no avanço das questões das mulheres através de imagens ousadas e convincentes.

O feminismo é uma força a ter em conta. Nos últimos anos, na pegada da Marcha das Mulheres e do movimento Me Too, somos mais uma vez recordados do poder das mulheres para fazer o mundo girar. O feminismo percorreu um longo caminho desde os dias dos cartazes sufragistas póster "We can do it" de Rosie the Riveter, o design gráfico continua a desempenhar um papel pungente no avanço das questões das mulheres através de imagens ousadas e convincentes.

E com razão, porque os títulos de notícias por todo o mundo relembram que ainda há muito trabalho a fazer para conseguir a igualidade para as mulheres. Todos os dias ativista continuam a marcar um lugar na história para as mulheres forjarem o seu futuro, e como em todos os movimentos sociais, a comunicação é chave. Mulheres e homens continuam a por a sua criatividade ao serviço da causa feminina com designs apelativos que fazem ondas nos media e mentes por todo o mundo, e mudam a opinião pública através de visuais com apelo às massas. Nesta corrente atual, com foco nem experiências de interseccionalidade, queer, não-binárias e não-brancas, surgiram novos designs para falar por novas vozes ao lado de todas as mulheres. Para a ocasião do Dia Internacional da Mulher, vamos dar destaque ao design gráfico que aborda a igualdade para as mulheres em todo o mundo. De surpreendente a abordável, e de ousado a belo, uma coisa é certa: estes desenhos fazem a diferença, com um objectivo para o bem e uma força para o feminismo.

 

"Mulher interrompida: Retrato do Silêncio" por BETC
 

portrait-of-silence.jpg

"Mulher Interrompida: Retrato do Silêncio" por BETC

 

Durante o primeiro debate presidencial dos EUA entre os dois candidatos, Donald J. Trump interrompeu Hillary Clinton 51 vezes. Clinton interrompeu-o apenas nove vezes. Este comportamento entretanto chamado "manterruption", cai entre o espetro de comportamentos sexistas ao lado do "mansplaining". Está disseminado em reuniões mas também é comum fora do mundo profissional. As mulheres querem ser ouvidas e está na altura de as começarmos a ouvir, totalmente. Assim para o Dia Internacional da Mulher, a agência de publicidade brasileira BETC pediu a artistas femininas em todo o mundo para se juntares e desenharem posteres sobre este assunto. Contribuições de todos os lados criaram esta série intitulada "Mulher Interrompida: Um Retrato do Silêncio".

67 artistas de mais de 20 países sob a direção de José Pedro Bortolini, doaram ilustrações, conseguindo 87 posteres únicos. A série utilizou os mesmos códigos de cores para unificar as diferentes imagens em toda a campanha. Cada poster tinha um retrato original ou autorretrato de uma mulher a ser silenciada com o dedo de um homem em frente à sua boca, para mostrar que uma mulher interrompida é uma mulher silenciada. Os retratos são tão diversos como as próprias artistas. Ao lado de cada, várias legendas criadas pela copywriter Nathalie Lourenço como "Mulheres a serem ouvidas. Soa muito bem" ou "Depois do direito à liberdade de expressão, queremos o direito à plena expressão" pode ser lido, enviando uma mensagem impactante de que as mulheres estão fartas de ter de lutar por espaço mediático. Outras legendas lêem "Parem de falar e comecem a ouvir" e "Igualdade de direitos significa vozes iguais", para levantar a questão de que todas as vozes nascem iguais e devem ser tratadas como tal. A série foi tão bem recebida que a BETC decidiu abrir as submissões para Retratos da Série 2 do Silêncio.

HeForShe por DIA para as Nações Unidas

Nesta era do inter-seccionalismo e da identidade, ouvimos falar muito de aliados. O patriarcado é frequentemente culpado pela desigualdade entre os sexos, mas os homens também podem ser uma força de mudança positiva para as mulheres. A campanha HeForShe das Nações Unidas é precisamente sobre isso, como os homens podem ser aliados das mulheres. O movimento de solidariedade sobre igualdade entre os sexos reúne metade da humanidade em apoio da outra metade, para benefício de todos. HeForShe procura envolver homens e rapazes em todo o mundo na realização da igualdade, tomando medidas contra estereótipos e comportamentos negativos de género. Desde o seu lançamento em 2013, homens de todo o mundo incluindo Chefes de Estado, CEOs, e personalidades globais juntaram-se a milhões de outros na assinatura do #IDo #HeForSHe compromete-se a lutar pela igualdade de género.

 
download.jpgLogotipo HeForShe
HeForShe.jpg
Design de posters de HeForShe com citações de apoiantes HeForShe.
 
DIA, um estúdio de produção criativa baseado em Nova Iorque, foi responsável pelo desenvolvimento da identidade visual da HeForShe. O logótipo representa este movimento de solidariedade ao unir os aspectos dos símbolos feminino e masculino. Simboliza mulheres e homens que trabalham em conjunto para tornar a igualdade de género uma realidade. O estúdio DIA utilizou uma tipografia arrojada em combinação com cores marcantes, e revisitou as setas utilizadas nos símbolos de género como parte do desenho. Os designs HeForShe foram utilizados em todos os meios da campanha das Nações Unidas, tais como outdoors, bilhetes de concerto, cartões de visita, folhetos e muito mais, encorajando tanto os as pessoas no dia a dia como os líderes a assumirem compromissos tangíveis no sentido de acelerar a igualdade de género. Além disso, o movimento HeForShe tem visto um enorme sucesso em todo o mundo, desencadeando versões locais de base das campanhas em todos os continentes.
 
A-HeForShe-billboard-on-5th-Avenue-in-Manhattan.jpg
Um cartaz HeForShe na 5ª Avenida em Manhattan
 
 

“For All Womankind” por Deva Pardue

for-all-womankind.jpg

“Para todas as mulheres" por Deva Pardue

 

Para a maioria de nós, seria quase impossível não ter encontrado o punho feminino de Deva Pardue, oficialmente intitulado "For All Womankind", ou "Para todas as Mulheres" em português, o mesmo nome que a organização feminista de vanguarda da designer. O que começou como um download gratuito para a Marcha das Mulheres, tornar-se-ia em breve um dos desenhos mais reconhecidos da última década, simbolizando muito mais do que a soma das suas partes. Após a eleição de Donald J Trump, muitas mulheres sentiram-se decepcionadas pela política e pela promessa dos direitos das mulheres, inspirando-as subsequentemente a marchar e a defender os seus direitos. A designer nascida na Irlanda e baseada em Nova Iorque, Deva Pardue, criou o punho feminino como um cartaz gratuito para descarregar para a marcha. Tornou-se viral durante a preparação para o protesto ao ser partilhado por celebridades, e só nos EUA 4.000 pessoas descarregaram gratuitamente PDFs do desenho para imprimir para a marcha. A venda online de gravuras já angariou mais de 25.000 dólares para beneficiar duas organizações sem fins lucrativos que promovem as liberdades reprodutivas nos Estados Unidos.

 

O desenho do Pardue repercutiu-se em mulheres de todos os tipos. O design do cartaz encapsula a interseccionalidade do feminismo moderno. O nome "For All Womankind" refere-se, de acordo com Pardue, à necessidade de interseccionalidade na organização - questões transversais de género e etnia, e para além do nível de campanha pelos direitos individuais. Confrontada com a falta de um design feminista que representasse a diversidade das mulheres, Pardue decidiu criar ela própria um. "Quando se trata de arte de protesto, não se pode subestimar a importância do imediatismo. Dizer algo com o mínimo de desordem possível é o que mais ressoa", disse Pardue. Com isto em mente, ela criou um design que era tão suave e feminino quanto forte e diversificado. O seu motivo de três punhos levantados, cada um com um tom de pele diferente mas com as mesmas unhas pintadas de vermelho, é colocado sobre um fundo rosa claro, tornando-o tão feminino quanto assertivo. O punho feminino do Perdue continua a crescer em popularidade, tendo sido visto nos movimentos femininos em todo o mundo e reinterpretado por dezenas de outras artistas. Continua a difundir a mensagem de um feminismo inclusivo e a inspirar as mulheres a continuar a luta pelos seus direitos.

 

O design de Pardue foi criado como um poster para ser descarregado gratuitamente para a Marcha das Mulheres.

 

A Campanha de Angariação de Fundos da Biblioteca Feminista

 

The-Feminist-Library’s-Fund-Raising-Campaign.jpg
A nova identidade visual da Bibilioteca Feminista está inspirada pelos seus cartazes de protesto
 

Pode um tipo de letra ajudar a salvar o feminismo? Bem, uma equipa de designers pensou que poderia ajudar. A Feminist Library (Biblioteca Feminista em português) no sudeste de Londres possui uma colecção incomparável de mais de 7.000 livros, 1.500 títulos de publicações periódicas de todo o mundo, vários arquivos de indivíduos e organizações feministas, panfletos, jornais, cartazes, efemérides. Durante quase 40 anos, a biblioteca funcionou sem interrupção como um arquivo e centro cultural para mulheres. De repente, em 2018, surgiu a notícia de que o conselho local tinha decidido urbanizar o edifício da biblioteca. Apesar de lhe ter sido oferecido outro espaço noutra nova vizinhança, a biblioteca precisava de angariar 48.000 libras esterlinas para não só mover todos os seus livros, mas também transformar a sua nova casa numa biblioteca funcional e espaço comunitário. Como resultado, uma equipa de designers foi reunida para desenvolver uma identidade que apoiasse a campanha de financiamento "crowdfunding" para salvar o arquivo feminista e o espaço comunitário.

 

Fundraising-posters-featuring-Sanderson-and-Lincoln’s-original-type-face..jpg

Os posteres de angariação de fundos com o tipo de letra original de Sanderson e Lincoln.
 

Em conjunto, as designers Lucy Sanderson e Anna Lincoln começaram por desenvolver uma tipografia única e apelativa inspirada no próprio arquivo de bandeiras de protesto feministas da biblioteca. A fim de o crear, produziram ligaturas em grande escala com fita adesiva através de mesas num pub local, e depois digitalizaram-nas para criar uma versão digital a ser implementada nos cartazes e folhetos de angariação de fundos. O método de baixo custo era primordial para os designers, que insistiram que queriam que tivesse uma certa acessibilidade alinhada com os valores da própria biblioteca. A par de fundos geométricos coloridos brilhantes e por vezes camadas sobre a versão abstrata dos próprios desenhos em cassete digitalizada, a tipografia destaca-se para ser lida em voz alta e clara. Os desenhos que chamaram a atenção foram um sucesso, tendo obtido atenção suficiente para angariar os fundos necessários e depois alguns para salvar a Biblioteca Feminista, para que possa continuar a tornar as histórias de mulheres acessíveis e cultivar uma comunidade onde o feminismo possa prosperar. Mais ainda, a nova letra foi um tal sucesso que decidiram mantê-la no novo logotipo da Biblioteca Feminista.

O Futuro é Feminista

Embora o design gráfico possa não ser a primeira coisa que nos vem à cabeça quando pensamos em lutar por causas feministas, a história provou que um design bem pensado pode criar um impacto poderoso. Estas campanhas mostram a diferença que o design para uma causa é capaz de fazer. Enquanto houver progresso a ser feito para as mulheres, os designers podem continuar a usar a sua criatividade para o bem.

 

--

Para saber mais:

HeForShe: https://www.heforshe.org/en

For all Womankind: https://forallwomankind.com/

The Feminist Library: https://feministlibrary.co.uk/