Nanografia Landa

d2b_Landa-Nanographic_259x194.jpg

Nanografía  Landa

A estrela indiscutível da Drupa 2012 foram as impressoras nanográficas Landa Digital Printing. Benny Landa foi o fundador da Indigo, agora propriedade da HP. Landa Corporation foi criada em 2002 centrando-se em projectos de nanotecnologia em diversos campos e assim nasceu a Landa Digital Printing.

A nanografia refere-se aos pigmentos de tamanho nanométrico utilizados na tinta de base aquosa. A tinta em si vem como um concentrado e dilui-se com água que é filtrada e desionizada na impressora.

No processo de formação de imagens a tinta injecta-se através de um sistema Kyocera de injecção de tinta a pedido sobre uma cinta de caucho quente e uma vez seco transfere ao papel o suporte sintético.

Na Drupa apresentaram-se 6 versões destas impressoras; 3 para bobinas  e 3 para folhas, se pode ver à continuação:

1. Landa W5 – uma impressora simplex de 200 m/min para etiquetas, etiquetas termo-retrácteis, papéis e bobinas de plástico de até 560 mm de largura
2. Landa W10 – uma impressora simplex de 200 m/min para bobinas de plástico e laminação de até 1.020 mm de largura
3. Landa W50 – uma impressora duplex de 200 m/min para papéis standard de até 560 mm de largura
4. Landa S5 – uma impressora B3 duplex para folhas de 366 ppm
5. Landa S7 – uma impressora B2 duplex para folhas de 800 ppm
6. Landa S10 – uma impressora B1 duplex para folhas de 1.733 ppm – 2 versões, uma para papel e outra para cartão

 

Todos estes modelos são fabricados em colaboração com Komori e baseiam-se nos seus sistemas de transporte de papel e podem executar de 4 a 8 cores (CMYK e cores especiais). Todas as máquinas dispõem de um enorme ecrã táctil na parte frontal com sistemas de control que as tornam fáceis de utilizar.

Landa faz algumas afirmações acerca desta tecnologia como podemos ver a seguir:

A impressora digital mais rápida – a impressora B1 para folhas Chegando até 1.700 ppm!
A mais alta qualidadeLanda afirma que a impressora alcançará a qualidade offset quando sair para o mercado a finais de 2013. Uma das características de NanoInk é que tem notáveis propriedades de absorção de luz o que significa que as tintas dizem conseguir uma muito ampla gama de cores. Os pontos de impressão devem ser extremamente nítidos devido ao mínimo tamanho das partículas.
Menos custo por página que uma impressora digital – os dados sobre o ínfimo custo por página ainda não foram publicados, mas já o afirmam porque a camada de tinta necessária para conseguir uma cor de alta densidade é apenas de 500 nm de espessura, o que significa que requer menos tinta em comparação com outras impressoras digitais, ou incluso offset.
100% respeitoso com o meio ambiente – Landa baseia esta afirmação em várias características do sistema; a tinta é um concentrado e transporta muito pouca água, a capa de tinta é muito fina pelo que se consome uma quantidade muito pequena e, ainda que a cinta se aqueça, a energia necessária é muito menor que num sistema de fusão numa impressora de toner seco.
• Funciona sobre qualquer suporteesta é uma das características da NanoInk. A tinta descreve-se como uma resistente película polimérica e similar a um adesivo de fusão a quente.
A película de tinta é resistente aos arranhões e à abrasão.
Esta é uma característica chave da NanoInk.

Escrito por Richard Saunders (Intertek)