Meio Ambiente

Environment_su_guia_medioambiental_procesosdefabricacion_259x194.jpg

Processo  de fabrico

Depois de rever a importância da origem das fibras e os sistemas de branqueamento, como factores chave para determinar a eco-responsabilidade de um papel, vamos prestar atenção ao terceiro critério: os processos de fabrico e o seu impacto meio ambiental (emissões para o ar, água. CO2...).

 

 

PROCESSOS DE FABRICO

Escolha os papéis com o processo de fabrico mais limpos!

No mercado existem diferentes Ecoetiquetas que certificam processos de produção responsáveis, de entre as quais destacamos a Ecoetiqueta Europeia, o Cisne Nórdico e o Anjo Azul.

Environment_su_guia_medioambiental_procesosdefabricacion.jpg

Os produtos que contêm fibras recicladas têm mais facilidade de conseguirem obter estes certificados, pela origem das suas fibras e pelos reduzidos consumos de água, energia e baixas emissões.

 

DEFINIÇÕES:

Ecoetiqueta Europeia: Certificado emitido pela União Europeia para diferentes sectores da indústria (cosméticos, higiene, têxtil…). No caso do papel certifica que este contém um mínimo de 10% de fibras certificadas FSC/PEFC ou recicladas, os mais baixos consumos de energia, emissões para a água e  atmosfera, ausência de substâncias químicas perigosas e tratamento de resíduos.

Actualmente está a analisar-se a possibilidade de aumentar a quantidade mínima de fibras responsáveis de 10 para 50%.

Cisne Nórdico:Certificado de origem escandinava, entre cujos critérios está, um conteúdo mínimo de 20% de fibras certificadas FSC/PEFC ou 65% recicladas, os mais baixos consumos de energia, emissões para a água e atmosfera e ausência de substâncias químicas perigosas.

Anjo Azul: Ecoetiqueta de origem Alemã que certifica papéis 100% reciclados, sem branqueadores ópticos e com ausência de substâncias químicas perigosas.

 

Estes certificados são compatíveis entre si, isto é, um produto pode ter vários ou todos eles.